domingo, 27 de agosto de 2017

Intimidades PSOL e PMDB expostas.


A”briguinha” política entre PSOL e PMDB nos é apresentada todos os dias, mas, sem nenhum resultado prático. Afinal, visualizando certos aspectos, são coniventes em várias vertentes deste cenário macabro.

O delegado Orlando Zaccone (à esq.) e outros policiais vão se filiar ao partido de Marcelo Freixo

Desmilitarização da segurança pública, legalização das drogas e construção do policial como trabalhador – e não como soldado. Essas são as três propostas defendidas por um grupo de policiais civis e militares como fundamentais para o debate de uma nova política de segurança.

Vale lembrar que o Delegado Zaccone contrariou o Delegado Marreiros,  encarregado da investigação e satisfez os propósitos do PSOL.

Atual comandante PMERJ quando na Reserva, buscando um "espaço"

Hoje, vários policiais civis e militares ingressaram no PSOL a apoiam sua política de não enfrentamento aos diversos segmentos criminosos e terroristas que tomaram conta deste Estado, mas todos eles ocuparam cargos importantes dentro das polícias no governo PMDB, ao qual coube indica-los a estes cargos.

Com a inércia do governo PMDB do Rio de Janeiro diante das centenas de mortes de policiais e milhares se computados outros anos, há sim um conluio criminoso entre estas duas facções criminosas infiltradas na política brasileira.


Nesta imagem uma prova de que o demagogo Marcelo Freixo faz política com a desgraça alheia e com apoio da organização criminosa que comanda a maior parte das favelas do Rio de Janeiro. O cara que veste camisa amarela e guiou Freixo e sua comitiva pelos becos da “comunidade” é Rumba, irmão da Sandra Helena, vulgo Sandra “Sapatão”, uma das principais lideranças da facção criminosa no Jacarezinho. Sandra sempre foi braço direito de Lambari, um dos mais violentos traficantes do Rio e Rumba é o elo entre políticos e o CV há muito tempo, sempre foi um representante da facção com voz na política.


Tanto Ibis, como Zaccone e outros policiais recentemente filiados ao PSOL, ocupantes de importantes cargos na Segurança Pública PMDB, são unanimes na política de não enfrentamento, enfrentamento este que parte dos criminosos contra a polícia e a  sociedade em geral. Neste vídeo o coronel culpa à polícia pelas mortes ocorridas.
Não esquecendo que o coronel Ibis comandou a polícia militar.


PSOL entrou na parada, um recebeu propina de Eduardo Paes. Que venham os outros!
http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/o-psol-na-lista-de-fachin.html

No silencio, embora fatos, fotos e histórico comprovados apontem a índole PSOL, o PMDB não se aproveita destes instrumentos para reprimir os “ataques” do partido “adversário”. Não lhes parece estranho?


2 comentários:

  1. Sou Direitista, penso que a Polícia não deve entrar em favela nenhuma pra NADA. Não é benvinda,não é respeitada,é assassinada. Na favela se paga IPTU,IPVA,DUDAS,Taxa de incêndio,IR,precisa de CNH,CRLV; precisa de porte legal de arma registrada ? Só querem direitos,mas deveres... Que vivam do jeito que gostam; com bandidos armadose funk altão, prostituição, muita droga, sem trabalhar, sem pagar conta de luz.Mas quando faltar luz,reclama na boca, quando faltar água,reclama na boca,quando houver incêndio, reclama na boca,quando a facção rival invadir,matando e expulsando, reclama na boca também. Quero ver dizerem que a bala veio da polícia. A polícia de viagem trabalhar em prol somente dos pagadores de impostos,de onde vem a receita para os soldos. O resto que vivam como gostam e lasquem-se. Evitaría-se a morte de PMs e prisão dos mesmos nestes antros. Quando alguém é assaltado no Rio, a primeira pergunta que se faz é :De que favela eles vieram ?

    ResponderExcluir
  2. P.S. Mas a GATONET os coitadinhos têm condições de PAGAR, né ? Dá uma bolsa família pra eles; com meu imposto. Acordar cedo caminhar pra estação, nem pensar. Vê se não é isso

    ResponderExcluir