quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Sir Nicholas Winton

NASCE SIR NICHOLAS WINTON, O “SCHINDLER BRITÂNICO”, QUE SALVOU 669 CRIANÇAS DE CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO


SIR NICHOLAS WINTON, O “SCHINDLER BRITÂNICO”, QUE SALVOU 669 CRIANÇAS DE CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO




No dia 19 de maio de 1909, nasceu em Hampstead, Londres, Sir Nicholas Winton, que ficou conhecido como “Schindler britânico” por salvar 669 crianças, em sua maioria judias, dos campos de concentração nazistas na antiga Checoslováquia, em 1939, antes do início da Segunda Guerra Mundial. Aos 106 anos, o ativista leva uma vida simples em Pinkneys Green, no Reino Unido.

      O presidente da República Tcheca, Milos Zeman, entrega a Ordem do Leão Branco a Sir Nicholas Winton 
Seus feitos heroicos só vieram a público na década de 1980, quando sua esposa, Greta, encontrou uma pasta no sótão de sua casa com uma lista de crianças salvas e cartas aos pais delas. Condecorado com as principais honrarias tchecas e britânicas, entre elas a Ordem do Leão Branco, maior honraria da República Tcheca em 2014, e elevado ao posto de cavaleiro pela rainha Elizabeth II, em 2002, na Grã Bretanha, Sir Winton não se considera um herói. Seus atos humanitários renderam também uma homenagem do casal de astrônomos checos Jana Tichá e Miloš Tichý que nomearam o asteroide 19384 em sua honra.

Ele não sabe, mas do lado dele estão 669 pessoas que ele salvou do holocausto.

Filho de alemães judeus que haviam se mudado para a Inglaterra, Nicholas Winton trabalhava como corretor na Bolsa de Valores de Londres. Seu destino começou a mudar antes do Natal de 1938, quando foi visitar um amigo, Martin Blake, que prestava trabalhos humanitários aos judeus, em Praga, então ocupada pelos nazistas.
Pouco depois, Winton criou sua própria organização para ajudar crianças judias e entrou em contato com a Refugee Children's Movement (RCM), em Londres, para conseguir alojamento e a quantia de dinheiro que o governo britânico requisitava como garantia para aprovar a entrada de refugiados perseguidos pelo nazismo.

Durante nove meses, ele ajudou a evacuar 669 crianças, por trem, dePraga para Londres. Entre elas estava Karel Reisz, que se tornaria uma renomada diretora de filmes, autora do premiado "The French Lieutenant's Woman". Hoje, acredita-se que existam mais de 5 mil das chamadas "crianças de Winton", que seriam descendentes das crianças salvas por ele durante a Segunda Guerra.

Sir Nicholas Winton faleceu em 2015 aos 106 anos de idade.

 



 



Só otário que não vê


Só otário que não vê ou não quer ver que ONGs e Comissões de Direitos Humanos só interferem para proteger o crime organizado tão logo eles se sintam ameaçados dentro de seu território.

É claro que o Verdadeiro Direitos Humanos devem prevalecer, mas chega um momento em que o combate ao crime se torna uma guerra e numa guerra o inimigo deve ser eliminado. E é isso que não pode acontecer com os que financiam certa ideologia que se mostra cada dia mais agressiva à sociedade.



Dentro da “cumunidades” o crime impera e, embora dezenas, centenas e até milhares de pessoas tenham sido assassinadas, quer por contrariar interesses, por desconfiança e até mesmo durante um embate acusar a polícia, estão acontecendo todos os dias sem que “direitos humanos” tomem conhecimento nem a mídia divulgue.


Jovens de "cumunidade" obrigados a cavar sua cova para, após, dentro delas, serem mortos, incinerados e enterrados.

Casal de idosos foi morto no Complexo do Caramujo, em Niterói


A estudante Maria Eduarda foi morta dentro da escola, durante fuga de marginais da polícia. Rapidamente uma “trupe” de “direito dos mano” saiu em campo na tentativa frustrada de culpar a polícia.


Em São Paulo uma Promotora fala sobre as suspeitas de envolvimento de ONG de direitos humanos com o crime organizado, onde policiais mais ativos no combate ao tráfico foram acusados.

No Rio de Janeiro não é diferente, ocrime organizado está representado dentro de todas as esferas do legislativo, os mesmos que insistem da descriminalização das drogas como redução dos custos de seus “cúmplices”.


O que se vê são “cumunidades” à  serviço do tráfico, que se omitem num gesto solidário para com o policial até mesmo quando ele está gravemente ferido, incentivando inclusive o roubo de sua arma para venda ao tráfico.


O cara que veste camisa amarela e guiou Freixo e sua comitiva pelos becos da “comunidade” é Rumba, irmão da Sandra Helena, vulgo Sandra “Sapatão”, uma das principais lideranças da facção criminosa no Jacarezinho. Sandra sempre foi braço direito de Lambari, um dos mais violentos traficantes do Rio e Rumba é o elo entre políticos e o CV há muito tempo, sempre foi um representante da facção com voz na política.


Contra bandidos armados, que haja uma forte reação bem mais armada que os extermine de vez.



quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Uma novela realista!

Figurante de 'A Força do Querer' é preso no Rio por roubo.

       Figurante de "A Força do Querer" é preso durante gravação de cena.

Um figurante da novela "A Força do Querer" foi preso na manhã desta terça-feira, 29, no Rio de Janeiro acusado de roubo de veículos e roubo de cargas.
De acordo com o colunista Leo Dias, do jornal "O Dia", Luis Fernando Ferreira dos Santos foi preso pela Polícia Civil na comunidade Tavares Bastos, no Catete, durante as gravações da novela “A Força do Querer”. Ele não ofereceu resistência à prisão.

O figurante aparece como autor em dois inquéritos policiais, em uma operação conhecida como Tempo Zero e liderada pelo Dr. Renato Perez. Ele já era procurado pela polícia e foi reconhecido ao ser visto em cenas da novela escrita por Glória Perez.
Ferreira dos Santos aparece em cenas onde atuava como um dos figurantes da boca do Sabiá. Ele foi preso durante a gravação de uma sequência de uma festa que comemorava a volta de Sabiá (Jonathan Azevedo) ao morro.
link: catracalivre


Demorou mas aconteceu, a vida imitando a “arte”.
Violento ladrão de cargas que atuava na novela FORÇA DO QUERER foi preso durante gravação.



terça-feira, 29 de agosto de 2017

4 prédios de 10 andares


4 prédios de 10 andares em notas de cem reais foi o que o PT roubou.
Sergio Moro falou em pronunciamento que, o dinheiro roubado pela quadrilha petista é cerca de 10 trilhões de reais. Quando tentamos imaginar o montante em papel moeda perdemos completamente a noção, no entanto com a amostra feita nas ruas de Curitiba, 4 bilhões recuperado pela lava jato. A projeção que tenho por esta referência, é que 10 trilhões em papel moeda, ficaria da altura de 4 prédios de 10 andares. Agora temos a verdadeira noção do maior furto da história da humanidade feito pela quadrilha narco terrorista PT. O que faz do narcotraficante que controlava 80% de toda cocaína vendida no mundo Pablo Escobar, uma criança de seis meses de idade comparado ao Lula.



Lula não pode concorrer nem a chefe de cadeia!





É uma afronta ao Brasil, a ética e a moral esta candidatura. Permitir a candidatura do Lula é de um cinismo sem precedentes.



Ben Avraham.

10 trilhões / 4bilhões = 2.500

Se considerarmos o volume formado por quatro bilhões de reais, dá para se ter uma ideia do que representa o volume desviado por toda a quantia ROUBADA, 10 trilhões de Reais. 2.500 vezes o volume das imagens certamente alcançaria um volume comparado a quatro prédios de dez andares.

"Cumunidade" comemora morte de PMs.

Morte de 100º PM assassinado no Rio foi comemorada em favelas próximas ao local do crime.

O assassinato do sargento Fabio José Cavalcante e Sá, de 39 anos, foi comemorado em favelas do entorno do Largo do Guedes, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, onde o crime ocorreu. A informação foi passada a agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, que investigam o crime. O policial foi executado com 11 tiros — todos de pistola —, sendo quatro no rosto. Testemunhas contaram na especializada que alguns dos disparos que mataram Cavalcante partiram de sua própria arma, roubada pelos criminosos.
Moradores indiferentes ao policial ferido

Segundos agentes da especializada, o policial tinha desavenças tanto com traficantes quanto com milicianos, que têm interesse em dominar a área onde mora a família do PM — ele já não vivia mais ali, morava em Magé, perto do 34º BPM (Magé), onde trabalhava. Os agentes já sabem que os suspeitos estavam em dois carros e portavam pelo menos um fuzil, que não foi usado no crime. Uma testemunha ocular ainda relatou aos agentes que, logo após Cavalcante ter sido atingido pelos disparos, um dos criminosos teria grita do: “Mata, mata! É PM!”
Moradores ameaçando policiais de morte

A DHBF ainda investiga se há alguma relação entre o crime e uma ocorrência registrada há sete anos, quando o sargento foi baleado no joelho exatamente no mesmo local onde foi morto. Na ocasião, o policial tentava impedir o roubo de um carro.

Com texto do jornal EXTRA

Carta ao Comando PMERJ.

Em carta, PMs criticam oficiais do comando da corporação após morte do 100º agente no RJ em 2017.


Agentes da PM que participaram do enterro do policial militar Fábio Cavalcante e Sá neste domingo(27), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, entregaram uma carta à equipe do Bom Dia Rio.
O texto faz duras críticas a dois oficiais do comando da corporação: o coronel Barracho, chefe do estado maior da PM; e o coronel Wanderby Braga de Medeiros, corregedor interno. A carta fala de más condições de trabalho, pede investigação para assassinatos de policiais e corrupção, entre outros temas.

Confira a íntegra do material:

"Ao excelentíssimo senhor chefe do estado maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - Cel PM Baracho e ao excelentíssimo senhor corregedor interno da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, coronel Wanderby
Escrevemos essa mensagem na esperança que chegue aos senhores e que leiam com bastante atenção, pois tudo isso parte da tropa e não de um único policial.
Em primeiro lugar gostaríamos de parabenizá-los pela ascensão profissional e nomeação de cargos de extrema importância nesta bicentenária corporação, mas não obstante gostaríamos de nos pronunciar para que assim possamos ajudá-los a nos comandar (e comandar significa:).
De certo que somos um efetivo muito grande e chegamos a casa dos 50 mil policiais, mas infelizmente estamos morrendo diariamente, mas não os senhores (não lembro a ultima vez que um coronel morreu em confronto ou por ser reconhecido como policial) e deixamos claro que não queremos que vocês morram, pois não desejamos isso a nenhum sangue azul, mas queremos que vocês passem a enxergar o que a tropa está passando.
Não estamos vindo aqui para falar de 13º salário atrasado, meta em atraso, RAS em atraso, Proeis em atraso. Estamos aqui pra falar dos nossos óbices de verdade, como por exemplo a precariedade de nossos armamentos e aproveitamos a oportunidade para perguntarmos: 'Por que não distribuir os 500 fuzis doados pelas Forças Armadas?!' Ou os 15 mil coletes lacrados no CSM?! Por que vossas excelências não facilitam a compra de pistolas calibre .40?! Vamos além, por que não fazem como São Paulo ou Minas Gerais e doam esses armamentos para a tropa?! Já que uma pistola Taurus custa cerca de R$ 6 mil! Que precisamos usar, pois nos expomos diariamente no combate à criminalidade!


Questionamos o por quê de não empenhar os esforços da Corregedoria da Polícia Militar no combate aos verdadeiros MAUS POLICIAIS, como por exemplo: envolvidos com a milícia; ou com a contravenção (jogo do bicho ou maquininha); ou os envolvidos com o roubo de carga; ou os envolvidos com o tráfico?! Eles são tão intocáveis ou provocam tanto medo assim?! Para que sejam temidos pela nossa unidade correcional ou vocês recebem alguma vantagem por não virarem suas atenções para eles?! Por que não viram suas forças para combater os criminosos de policiais, tentar descobrir os autores dos assassinatos que tivemos esse ano?! Da muito trabalho?! Nos respondam, pois não sabemos!
Por que não coordenar operações com a força COE e os batalhões das áreas para cercar e estrangular o tráfico de drogas em comunidades que matam policiais?!
Ninguém está questionando que andar sem cobertura é transgressão da disciplina, mas voltar todo o esforço, tempo e efetivo para filmar policiais sem cobertura?! Não é uma inversão de prioridades absurda?! Podem nos corrigir se estivermos errados!


Se tudo funcionasse certo, salário, escala de serviço, carga horária, até pra viatura funcionar, os senhores são obrigados a contar conosco (os que vocês participam por falta de cobertura), pois se não dermos o nosso jeito, um amigo dono de uma oficina, ou concessionária, ou loja de peças automotivas (a quem ficamos devendo favor) as nossas viaturas, perdão, as suas viaturas nem iriam estar rodando, pois os batalhões recebem uma migalha de 2 mil reais por mês para toda a vida administrativa, ou seja, vocês chefes da polícia militar dependem de nós, a ponta da lança, porque sem estes milhares de homens e mulheres, vocês nada são.
Saudades dos tempos do Excelentíssimo Senhor Ex COMANDANTE GERAL da POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, que governou para tropa e para a sociedade e não para os seus caprichos ou mimos.
Gostaríamos de perguntar, se chegarmos a uma Delegacia da Polícia Civil e consultarmos os RG's dos senhores encontraremos pelo menos uma ocorrência com preso em flagrante (pra ajudar, pode ser em cumprimento de mandado de prisão), laçar boi de maneira incorreta não vale Cel Baracho, sabemos que os 30 anos do senhor no noroeste fluminense foram bem pacatos, por isso esperamos que entenda a diferença do 29º BPM para um 41º BPM, por exemplo, a realidade e a cultura são outras.
Isso também se estende ao Sr. CEL WANDERBY, pois por acaso, o senhor já entrou em uma unidade operacional convencional sem ser para fiscalizar, mas sim para servir e enfrentar todas as dificuldades?!
Por isso pedimos encarecidamente que revejam como vão conduzir a polícia militar, porque vamos começar a deixar tudo a cargo da unidade/PMERJ, o senhor sabia que as viaturas deveriam ter triângulo?! Luvas?! Saco para cadáveres?! Outras coisas mais, podemos passar a exigir o mínimo da administração e garantimos que será MUITO pra vocês darem conta.
Com essas atitudes vocês só estão incomodando os bons policiais, que sangram, trabalham, dão o suor pela sociedade fluminense e pela corporação e os verdadeiros maus policiais ainda estão à solta e alguns até próximo aos senhores.
No mais, gostaríamos de desejar toda paz do mundo e muita sorte nesta gestão, um abraço sincero da tropa.


Comandante-geral se diz aberto a reunião
Por telefone, o comandante-geral da PM, coronel Wolney Dias, afirmou que se o autor do texto quiser, pode marcar uma reunião com ele para debater sobre os temas. O coronel observou que a carta é "apócrifa" e que este texto circulou nas redes sociais há 15 dias atrás. Mas afirma que, sobre os coletes, que eles estão disponíveis à tropa, que vários policiais utilizam o colete com as inscrições da Senasp e que o comando da corporação estuda a possibilidade de distribuí-los sob cautela, individualmente, para cada policial militar.
"Não há transgressão disciplinar se os autores quiserem formar uma comissão para debatermos os assuntos tratados no texto apócrifo. Ações correcionais só devem preocupar os maus policiais. A corregedoria também tem por função apoiar e respaldar o bom policial em suas ações corretas. Tem sido preocupação constante do comando geral da corporação o bem estar de sua tropa, se esforçando ao máximo em minimizar os efeitos da crise econômica financeira por que passa o estado", disse Wolney.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Perto incomoda, longe faz muita falta.


Eu, de folga, observava atento quando o algoz se aproximara da pobre vítima.
O meliante sacou a arma e anunciou o roubo.
Logo que vi, meu tirocínio de policial me mandou agir, PORÉM, lembrei do Ministério Público, da sociedade que me condena, da minha família que espera por mim, quando decidi NÃO agir. 


A pobre mulher assustada nem tentou reagir ao assalto e sequer teve reação.
O bandido (vítima da sociedade opressora), sem motivos e mesmo em posse do bem, disparou contra a pobre mulher, tirando-lhe não somente a vida, como também os sonhos dela. A pobre coitada já caiu desfalecida, o ladrão levou sua moto, a vida e os sonhos daquela mulher. 

Não reagi, liguei 190 "e passei a bomba para quem tava de serviço", afinal, é isso que o estatuto determina que eu faça.

Fui para minha casa, fui recebido por minha esposa e filhos.
O Ministério Público não alegou que eu fui truculento ao reagir ao roubo praticado por uma pobre vítima da sociedade que roubara para comer, a OAB não emitiu nota em meu desfavor, minha arma não ficou apreendida para perícia, não gastei minha munição (que custa 10 reais cada), comissão de direitos humanos não emitiu depoimento contra mim e a mídia lixo sequer noticiou a morte da pobre inocente vítima de latrocínio, pois isso não dá ibope, o que dá ibope é polícia matando vítimas da sociedade (bandido).
Eu estava lá, mas foi como se não estivesse.

O PROBLEMA SERÁ QUANDO TODO POLICIAL COMEÇAR A AGIR ASSIM.
Aí o caos se instaurará, e o leviatã verdadeiramente aparecerá !

Desabafo de um profissional que faz parte da instituição que quando perto incomoda e quando longe faz muita falta.

domingo, 27 de agosto de 2017

Intimidades PSOL e PMDB expostas.


A”briguinha” política entre PSOL e PMDB nos é apresentada todos os dias, mas, sem nenhum resultado prático. Afinal, visualizando certos aspectos, são coniventes em várias vertentes deste cenário macabro.

O delegado Orlando Zaccone (à esq.) e outros policiais vão se filiar ao partido de Marcelo Freixo

Desmilitarização da segurança pública, legalização das drogas e construção do policial como trabalhador – e não como soldado. Essas são as três propostas defendidas por um grupo de policiais civis e militares como fundamentais para o debate de uma nova política de segurança.

Vale lembrar que o Delegado Zaccone contrariou o Delegado Marreiros,  encarregado da investigação e satisfez os propósitos do PSOL.

Atual comandante PMERJ quando na Reserva, buscando um "espaço"

Hoje, vários policiais civis e militares ingressaram no PSOL a apoiam sua política de não enfrentamento aos diversos segmentos criminosos e terroristas que tomaram conta deste Estado, mas todos eles ocuparam cargos importantes dentro das polícias no governo PMDB, ao qual coube indica-los a estes cargos.

Com a inércia do governo PMDB do Rio de Janeiro diante das centenas de mortes de policiais e milhares se computados outros anos, há sim um conluio criminoso entre estas duas facções criminosas infiltradas na política brasileira.


Nesta imagem uma prova de que o demagogo Marcelo Freixo faz política com a desgraça alheia e com apoio da organização criminosa que comanda a maior parte das favelas do Rio de Janeiro. O cara que veste camisa amarela e guiou Freixo e sua comitiva pelos becos da “comunidade” é Rumba, irmão da Sandra Helena, vulgo Sandra “Sapatão”, uma das principais lideranças da facção criminosa no Jacarezinho. Sandra sempre foi braço direito de Lambari, um dos mais violentos traficantes do Rio e Rumba é o elo entre políticos e o CV há muito tempo, sempre foi um representante da facção com voz na política.


Tanto Ibis, como Zaccone e outros policiais recentemente filiados ao PSOL, ocupantes de importantes cargos na Segurança Pública PMDB, são unanimes na política de não enfrentamento, enfrentamento este que parte dos criminosos contra a polícia e a  sociedade em geral. Neste vídeo o coronel culpa à polícia pelas mortes ocorridas.
Não esquecendo que o coronel Ibis comandou a polícia militar.


PSOL entrou na parada, um recebeu propina de Eduardo Paes. Que venham os outros!
http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/o-psol-na-lista-de-fachin.html

No silencio, embora fatos, fotos e histórico comprovados apontem a índole PSOL, o PMDB não se aproveita destes instrumentos para reprimir os “ataques” do partido “adversário”. Não lhes parece estranho?


sábado, 26 de agosto de 2017

"Os fins justificam os meios"


Vislumbrando a insatisfação dos policiais e bombeiros militares (praças) com os abusos na aplicação dos Regulamentos Disciplinares, a esquerda, que sempre desejou a desvinculação destas Corporações do Exercito Brasileiro, iludiu os militares dos estados com o argumento que os regulamentos seriam extintos, pelo menos no rigor. Mas omitiram que em outra corporação desmilitarizada, a hierarquia e disciplina também estariam presentes e sendo usadas com abuso, já que o efetivo seria o mesmo, oficiais subservientes ao governo e comandados que não ousam se opor à ilegalidade.


Diante dos entraves nesta “desmilitarização” (PEC 51/2013), que precisa passar por uma Emenda Constitucional, nada mais oportuno que acabar com as polícias de dentro para fora, ou seja, exterminando seu efetivo. De 1995 até hoje, 2.831 policiais foram assassinados no Estado do Rio de Janeiro, somando-se a outros milhares inutilizados para o serviço, um excelente argumento para o fim das Corporações. O desestimulo para os novos que desejariam ingressar e um estimulo para a evasão dos que já estão dentro.

Comunidades inteiras doutrinadas contra a atividade policial e a favor dos “meninos” do tráfico.

Reparem como os moradores destas comunidades tratam com a morte do policial

O direito natural é aquele contido na lei mosaica do Velho Testamento e no evangelho). Desta concepção do direito natural como direito de inspiração cristã derivou a tendência permanente no pensamento jusnaturalista de considerar tal direito superior ao positivo. Esta superioridade é afirmada pelo próprio Decretum Gratiani, logo depois da passagem citada:
“Dignitate vero jus naturale preaponi tur legiti bus ac constitutioni bus acconsuetudinibus".


A lei não pode sobrepor ao Direito Natural de Sobrevivência, este está acima das leis dos homens, sendo uma Lei de Deus. E que Deus tenha piedade da sociedade fluminense, assim como ela não teve com seu ultimo escudo de defesa, quando eles despertarem para esta verdade.


"100 Policiais ASSASSINADOS no Rio em 2017... Parabéns pra você que defende político bandido, parabéns pra você que defende vagabundo" VOCÊ TEM SANGUE NAS MÃOS!
01/01/2017 Antônio Carlos Paiva Nunes
01/01/2017 André William Barbosa de Oliveira
02/01/2017 Francisco Assis de Aguiar
02/01/2017 Cleiton William Santos de Freitas
04/01/2017 Jefferson Martins Pedra
05/01/2017 Marcelo Abdalla Neder
07/01/2017 Cássio Ferreira
08/01/2017 Glória Fabiane de Souza Melo
09/01/2017 Federal Marzio Deon Resende
10/01/2017 Daniel Cavalcante da Silva
12/01/2017 Sandro Mendes de Lyra
13/01/2017 Fábio Magalhães Teixeira
15/01/2017 Cristiano da Anunciação Macedo
18/01/2017 Cosme Rodrigues de Souza Júnior
19/01/2017 João Máximo Guimarães Rodrigues
22/01/2017 Amauri Pena
24/01/2017 José Luiz Macedo Zandomingos
25/01/2017 Renato Alves da Conceição
27/01/2017 Artur Fernando Ribeiro Moura
27/01/2017 Roque Medeiros Fonseca Júnior
30/01/2017 Evaldo Fernandes da Silva
31/01/2017 Carlos Elias dos Santos Vasconcellos
31/01/2017 André Luiz de Araújo
05/02/2017 Eduardo Ribeiro Paraguai
07/02/2017 Tiago Bispo dos Santos
10/02/2017 Wallace Guimarães de Souza
10/02/2017 Nielson do Carmo Costa
11/02/2017 Gemerson Augusto Chaves da Silva
13/02/2017 Renault Ferreira Feitosa
14/02/2017 Márcio Leandro do Nascimento Marins
21/02/2017 Michel de Lima Galvão
23/02/2017 Thiago de Oliveira Lance
26/02/2017 Rodrigo Severo
26/02/2017 Ricardo Feitos
09/03/2017 José Luiz da Silva Filho
12/03/2017 Luiz Alberto do Couto Neves
15/03/2017 Roberto Soares Santanna Júnior
16/03/2017 Renato César Jorge Cardoso
16/03/2017 Gabriel Brasil Soares
18/03/2017 Luiz Carlos Sampaio Silva Mendes
19/03/2017 Eli Barbosa dos Santos
20/03/2017 Samuel Oliveira da Silva
22/03/2017 Gilmar Rapozo
24/03/2017 Dilson Medina Soares
26/03/2017 Gastão Pedro Gama Carmo
28/03/2017 Antônio Gonçalo dos Santos Filho
29/03/2017 Fernando Santos Andrade e Silva
29/03/2017 Fábio de Oliveira Melo
30/03/2017 Almir Tadeu Alves de Oliveira
01/04/2017 Gilberto Guimarães Pereira Corrêa
04/04/2017 Anselmo Alves Júnior
04/04/2017 Sérgio Cordeiro da Silva
06/04/2017 Walter Pegas de Oliveira
07/04/2017 Benedito José Alvarenga da Silva
09/04/2017 Luís Otávio da Silva Júnior
09/04/2017 Anderson de Azevedo Marques
15/04/2017 Carlos Roberto da Silva Ribeiro
20/04/2017 Paulo Rogério Cappola
23/04/2017 Márcio José Deodato
24/04/2017 André Luiz Perez Fernandes
25/04/2017 Giovani Guimarães Lemos
27/04/2017 Carlos Alberto Domingos da Silva
28/04/2017 Alex Sandro da Silva Viana
29/04/2017 Albert Souza Ferreira
02/05/2017 Almir Oliveira de Mattos
05/05/2017 Marcos Braz de Moraes
08/05/2017 Flávio Bruno Braga Galdino
11/05/2017 Marcos Vinícius Borges Santana
12/05/2017 Emílio de Jesus Monteiro
12/05/2017 Valmir dos Santos Tavares
18/05/2017 Rafael Carvalho Alves Pinheiro
19/05/2017 João Vitor da Silva Pereira
27/05/2017 Daniel dos Santos e Silva
01/06/2017 Rubens Nei Bernardo Venceslau
02/06/2017 Gláucio Luiz Gonçalves Carvalho
10/06/2017 Thiago Araújo Cardoso de Sá
11/06/2017 Evandro Luiz Ferreira
14/06/2017 Franciene Soares de Souza
14/06/2017 Caio Fernando Guimarães Netto
15/06/2017 Milton Carlos Alves de Oliveira
17/06/2017 Ewerton Hudson Bispo da Rocha
29/06/2017 Márcio Rodrigues de Castr
30/06/2017 Rafael Cássio Campos de Abreu
01/07/2017 Leandro Nascimento Thasmerão
02/07/2017 Olivar Teixeira dos Santos
06/07/2017 Hélio Cardoso Fonseca
14/07/2017 Cléber de Castro Xavier
17/07/2017 Thiago Marzula de Abreu
17/07/2017 Bruno dos Santos Oliveira
21/07/2017 Fabiano de Brito e Silva
23/07/2017 Hudson Silva de Araújo
29/07/2017 William dos Santos Pinto
04/08/2017 Márcio Thomé Ribeiro
05/08/2017 Anderson Dias Pereira
09/08/2017 Silvio César Lopes da Silva
11/08/2017 Samir da Silva Oliveira
11/08/2017 Bruno Guimarães Buhler
12/08/2017 Vaine Luiz dos Santos Ferreira
12/08/2017 Elisângela Bessa Cordeiro
22/08/2017 Thiago Rodriguez da Silva
24/08/2017 Mabel Machado Sampaio Neto
26/08/2017 Fabio José Cavalcante e Sã

Até quando? #BASTA 


As crises no coração do Brasil


A criação de Brasília, em 1960, a renúncia de Jânio Quadros, a derrubada de João Goulart, o (contra) golpe de 1964, a morte de Tancredo Neves, o governo Sarney com sua hiperinflação, as denúncias contra Fernando Collor, o impeachment de Dilma Rousseff... A história comprova que a crise permeia o coração político do Brasil.
Coração que mudou de lugar depois que o Rio de Janeiro deixou de ser capital. Desde então, fica numa região que, no passado, abrangia o que hoje está dividido entre Goiás, Tocantins e Brasília.
Esta região tem a mesma população - que aumentou apenas na progressão natural que acontece em todo o país. Contudo, multiplicou sua representatividade no Congresso após a criação do Tocantins e de Brasília. Goiás tem três senadores, assim como Tocantins e o Distrito Federal. Na Câmara, Goiás tem 17 deputados federais, Distrito Federal tem oito e Tocantins também. 
Se fizermos um paralelo entre a região de Goiás antes da divisão e a Goiás atual, do ponto de vista da representatividade esta região ganhou muito mais projeção no Congresso do que os demais estados.
Ao mesmo tempo, as crises que no país explodem têm nos políticos desta região, com algumas exceções, um forte protagonismo. 
Histórico


Demóstenes Torres teve seu mandato de senador por Goiás cassado após escândalo de envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira.
No âmbito da Lava jato, sete políticos do mesmo estado foram citados por executivos e ex-dirigentes da Odebrecht que fecharam acordo de delação premiada: Daniel Vilela (PMDB), seu pai Maguito Vilela (PMDB), o governador de Goiás, Marconi Perillo (PMDB), o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), o ex-prefeito de Trindade Ricardo Fortunato e o ex-deputado federal Sandro Mabel, além do próprio Demóstenes.
A empresa que hoje está no epicentro dos escândalos políticos envolvendo a cúpula da política nacional - a JBS - nasceu justamente em Goiás, junto com Brasília. 
Tocantins

Siqueira Campos

Com relação a Tocantins, o histórico não é diferente. Seu primeiro governador, Siqueira Campos (que depois se reelegeu mais três vezes), já viu seu nome envolvido em investigações sobre fraude em licitações de terraplanagem. Ele e seu filho, o deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM), também aparecem nas delações da Odebrecht.
Marcelo Miranda

Outro ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), foi alvo de operação da Polícia Federal em 2016 que também apurava fraudes em licitações públicas. O ex-governador do mesmo estado Carlos Gaguim foi outro que já se viu envolvido com a Justiça. Ele e Marcelo Miranda foram condenados por improbidade administrativa em caso sobre construção de uma unidade de medida socioeducativa.
Sandoval Cardoso

Como se não bastasse, outro ex-governador do Tocantins, Sandoval Cardoso (SD), foi preso no âmbito da Operação Ápia, em abril de 2017, que investigava desvio de recursos públicos na construção e manutenção de estradas. Não por acaso, esta operação também teve como alvo o mesmo deputado Eduardo Siqueira Campos que aparece na lista da Odebrecht. 
Brasília

Joaquim Roriz

No governo de Brasília, a história parece não ser diferente. O ex-governador do Distrito federal Joaquim Roriz foi denunciado em 2011 em esquema de corrupção no Banco de Brasília. Contudo, com a demora no trâmite do processo, a acusação acabou prescrevendo. Outro ex-governador, José Roberto Arruda, foi alvo de três escândalos. Em 2010 ele foi preso por tentar obstruir as investigações da Operação Caixa de Pandora, que desbaratou um esquema de corrupção no seu governo. Arruda ainda foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal a prisão em regime semiaberto pelo crime de falsidade ideológica de forma continuada, no caso dos recibos falsos na compra de panetone para justificar o recebimento de R$ 50 mil de Durval Barbosa.
José Roberto Arruda

Em 2001, Arruda já havia se envolvido em outro escândalo, desta vez no caso da violação do painel de votação do Senado. Ele foi acusado de obter a lista de votação dos senadores no julgamento que cassou o mandato de Luiz Estevão (DF) e repassá-la ao então presidente do Senado, Antônio Carlos Magalhães. Arruda acabou admitindo a irregularidade, e renunciou ao mandato de senador para escapar da cassação. O ex-governador também é um dos que aparece nas planilhas da Odebrecht, identificado como "Parreira".
José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz

O nome de Arruda ainda aparece, ao lado do também ex-governador Agnelo Queiroz, em investigação sobre esquema que superfaturou o valor das obras do estádio Mané Garrincha em mais de R$ 900 milhões.
O longo e robusto histórico de escândalos que abrange políticos da região de Goiás, Tocantins e Brasília comprova que a crise encontra no coração do Brasil um terreno fértil. Mas certamente esta região também é motivo de orgulho para o país, com sua fantástica beleza natural, parques e cachoeiras conhecidos internacionalmente. Seu bravo povo merece políticos de linhagem mais nobre, que façam jus à sua história.